terça-feira, 24 de julho de 2007

Vaia ou não vaia?

O Pan do Rio tem se mostrado pródigo em algo que nós já estamos carecas de ouvir por aqui: vaias. De Lula aos atletas estrangeiros - e até alguns brasileiros - muitos foram agraciados.

Sobre os apupos ao presidente, é exagerado tachar a torcida de desrespeitosa. Lula fora avisado do risco.

E o Brasil não é a Coréia do Norte.

Houve, no entanto, um certo exagero por parte da torcida em alguns aspectos. Na ginástica, Mosiah Rodrigues teria sido beneficiado pela manifestação dos brasileiros. As vaias desestabilizaram os norte-americanos.

Não precisa disso.

Todo esporte tem lá as suas normas de conduta, que devem ser respeitadas. A ginástica e o tênis, por exemplo, requerem silêncio. E as vaias brasileiras passaram do ponto.

Por outro lado, não há o problema que tantos falam quando o assunto é atletismo, que é praticado num ambiente aberto - o estádio - e é impossível não fazer barulho.

Aí, amigo, sinto muito. Se não souber lidar com isso, pára de competir.

3 comentários:

Rui disse...

É tudo muito simples ... falta educação.

Se o sujeito levantar a voz em Wimbledon vai pra fora do estádio.

Alguns esportes não são a competição de quem aguenta mais vaias contra quem se fortalece no aplauso. Nem tudo é futebol nesse mundo e o brasileiro não entendeu isso ainda.

Discordo retumbantemente de você mas ...

Dani disse...

Concordo com o Rui....Falta educação, sim!

Bigwall disse...

Grande Rui. Seja bem-vindo

Acho que não discordamos tanto assim.

Como disse, em muitos esportes a torcida se excedeu. E, pegando carona no seu exemplo, é preciso ter noção de que um esporte é diferente do outro.

Mas, convenhamos, já houve quem criticasse vaias no vôlei e no futebol.

Aí já é exagero.